{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 04:46 (am)

Data : 26/04/2018

Exoneração do passivo restante

 


exoneração-do-passivo-restante

O que é?

 

    A exoneração do passivo restante é um regime que se aplica na insolvência pessoal e que permite aos devedores pessoas singulares o perdão das suas dívidas que não sejam integralmente pagas no processo de insolvência após a liquidação do património do devedor ou nos cinco anos posteriores ao encerramento do processo.

 

    Assim, após o decurso do prazo de cinco anos sobre o encerramento do processo de insolvência pessoal, o devedor pode obter um autêntico fresh start, com o perdão de todas as suas dívidas que não foram entretanto pagas. Concede-se assim ao devedor pessoa singular uma verdadeira segunda oportunidade para recomeçar a sua vida económica, sem o peso das dívidas da insolvência anterior.

 

Quem pode beneficiar da exoneração do passivo restante?

 

    Apenas as pessoas singulares podem beneficiar da exoneração do passivo restante, quer sejam trabalhadores subordinados com contrato de trabalho, trabalhadores independentes (“recibos verdes”), empresários que explorem sociedades comerciais (sociedades por quotas, sociedades unipessoais por quotas, sociedades anónimas), comerciantes ou empresários em nome individual.

 

    As empresas (sociedades comerciais) não podem beneficiar da exoneração do passivo restante.

 

Como é que se requer?

 

    O pedido pode ser feito na petição inicial de apresentação à insolvência ou no prazo de 10 dias úteis posteriores à citação, devendo neste caso constar expressamente do ato da citação a possibilidade da pessoa singular solicitar a exoneração do passivo restante.

 

    Ora, o processo de insolvência é um processo judicial, ou seja, corre os seus termos num Tribunal judicial. Assim, só um Advogado, devidamente mandatado para o efeito, é que pode iniciar e tramitar um processo de insolvência pessoal com exoneração do passivo restante.

 

Requisitos para que seja concedida; indeferimento liminar do pedido:

 

    Para que a exoneração do passivo restante possa ser concedida é necessário que não haja nenhum motivo para o indeferimento liminar do pedido.

 

    Ora, a exoneração do passivo restante é liminarmente recusada se:

- o devedor tiver dado informações falsas ou incompletas aos credores com vista à obtenção de crédito ou a Instituições Públicas com vista à obtenção de subsídios;

- for apresentada fora do prazo;

- o devedor não se apresentar à insolvência nos seis meses à verificação da situação de insolvência, e não houver qualquer perspetiva séria de melhoria da sua situação económica;

- o devedor já tiver beneficiado da exoneração do passivo restante nos 10 anos anteriores ao início do processo de insolvência;

- se houver elementos que permitam concluir que existe culpa do devedor na criação ou agravamento da situação de insolvência;

- se o devedor tiver sido condenado nos 10 anos anteriores pelos crimes de insolvência dolosa, insolvência negligente, frustração de créditos ou favorecimento de credores;

- se o devedor tiver violado os deveres de informação, apresentação e colaboração a que está vinculado por força do decurso do processo de insolvência.

 

Como é que se processa? Rendimento disponível e rendimento indisponível:

 

    Se não houver motivos para o indeferimento liminar do pedido, o devedor é admitido ao regime da exoneração do passivo restante, sendo proferido o despacho inicial de exoneração. Com esse despacho inicia-se um período de 5 anos designado por período de cessão.

 

    Durante 5 anos, o devedor terá que ceder o seu rendimento disponível a um fiduciário (entidade designada pelo tribunal de entre as inscritas na lista oficial de administradores de insolvência), que afetará os montantes recebidos ao pagamento dos credores.

 

    O devedor terá que ceder todos os rendimentos que auferir durante os 5 anos do período de cessão que excedam:

- o montante considerado pelo Tribunal como sendo razoavelmente necessário para o sustento minimamente condigno do devedor e do seu agregado familiarPor exemplo, se o insolvente tiver um agregado familiar de quatro pessoas, composto por dois adultos e dois menores o Tribunal pode fixar um rendimento indisponível mensal no valor de 1450 Euros, correspondente a 2,5 salários mínimos nacionais. Nesse caso, o insolvente só está obrigado a entregar ao fiduciário (administrador judicial) os rendimentos que excederem o rendimento indisponível fixado pelo Tribunal, ou seja, 1450 Euros;

- o montante necessário para o exercício da atividade do devedor.

 

    No final do período de 5 anos, tendo o devedor cumprido, para com os credores, todos os deveres que sobre ele impendiam, é proferido despacho final de exoneração do passivo restante, que liberta o devedor de todas as dívidas ainda pendentes de pagamento.

 

A exoneração abrange as dívidas às Finanças e à Segurança Social?

 

    Não. A exoneração não opera em relação aos créditos tributários nem aos créditos da Segurança Social, o que significa que não haverá perdão das dívidas decorridos os cinco anos do período de cessão. Contudo, durante os cinco anos do período de cessão a Autoridade Tributária e a Segurança Social não podem promover nenhuma penhora (por exemplo, penhora de vencimento) sobre o insolvente/contribuinte.

 

 

Artigos relacionados:

 

      -  Insolvência pessoal

      -  Insolvência familiar

      -  Processo de insolvência

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}