{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 04:35 (am)

Data : 26/04/2018

Dívida subordinada

 


dívida-subordinada    
Dívida subordinada é aquela que é graduada e paga em último lugar no processo de insolvência.

 

    A dívida subordinada também se costuma designar por dívida júnior (junior debt) por contraposição à dívida sénior (senior debt). A dívida sénior é aquela que é graduada e paga primeiro que a dívida júnior.

 

Graduação de créditos - último lugar:

 

    De facto, a dívida subordinada só pode ser paga após terem sido satisfeitos todos os créditos comuns.

 

    Em primeiro lugar são pagos os créditos garantidos (1.º); depois, os créditos privilegiados (2.º); de seguida, os créditos comuns (3.º); e, por último, os créditos subordinados (4.º).

 

    Ora, uma das fases do processo de insolvência é a fase da verificação e graduação de créditos. Nessa fase, é efetuada uma graduação dos créditos do insolvente de acordo com a sua ordem de pagamento.

 

Qual é a dívida subordinada?

 

    Constituem, nomeadamente, dívida subordinada os débitos das pessoas com relações especiais  com o devedor, bem como aqueles que tenham sido transferidos por estas a outrem, nomeadamente por sucessão por morte ou por cessão de créditos, sub-rogação, ou cessão da posição contratual.

 

    Ora, no caso da insolvência de pessoas singulares, considera-se que têm uma relação especial com o devedor: o seu cônjuge e as pessoas de quem se tenha divorciado nos 2 anos antecedentes à abertura do processo; os pais, filhos ou irmãos do devedor e pais, filhos ou irmãos do cônjuge; cônjuges dos pais, filhos ou irmãos do devedor; por último, aqueles que tenham residido com o devedor em algum momento nos 2 anos antecedentes à abertura do processo de insolvência.

 

    Por sua vez, se o caso for de insolvência de empresas (sociedade comercial mas também outras pessoas coletivas como, por exemplo, associações ou fundações), para efeitos de saber se estamos perante dívida subordinada, considera-se que têm uma relação especial com a empresa:

- os sócios, associados ou membros que respondam, nos termos da Lei, pelas dívidas da empresa (por exemplo, avalistas);

os administradores ou gerentes da empresa, de Direito ou de facto, ou aqueles que o tenham sido nos 2 anos antecedentes à abertura do processo;

- as entidades com quem a empresa esteja em relação de domínio ou de grupo (por exemplo, quando uma sociedade que é dona de outra sociedade insolvente tem um crédito sobre esta); 

 

    Para além das pessoas e entidades supra referidas há ainda outras pessoas que o CIRE considera como sendo especialmente relacionadas com o devedor.

 

     Por outro lado, os credores que são pessoas com uma relação especial com o devedor, tanto no caso de insolvência pessoal como no caso de insolvência de empresas não são o único grupo de titulares de dívida subordinada.

     Com efeito, para além desta categoria há ainda outras categorias de dívida subordinada.

 

 

Artigos relacionados:

 

      -  Créditos subordinados

      -  Créditos privilegiados

      -  Verificação e graduação de créditos

      -  Reclamação de créditos

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}