facebook twitter google mais linkedin

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 11:17 (pm)

Data : 19/09/2017

Letra bancária

letra bancária2

     A letra bancária é um título de crédito.

 

     Trata-se, por isso, de um documento escrito e assinado pelas partes que contém um crédito em dinheiro e que se movimenta por endosso.

 

     São também títulos de crédito, entre outros, a livrança e o cheque.

 

     Existe a possibilidade de o sacador da letra efetuar o desconto bancário de letras, que é um mecanismo que lhe permite receber previamente o valor total de uma letra bancária de um Banco, através do pagamento de juros e comissões convencionadas. Nesse momento, a Instituição Financeira passa a ser a tomadora da letra bancária. Todavia, se o devedor (sacado) entrar em incumprimento, é o credor (sacador) e não o Banco que suportará na totalidade as correspondentes perdas.

 

    O desconto de letra bancária é sobretudo um mecanismo que permite transformar um direito de crédito em dinheiro imediato (liquidez), sem ter que esperar pela data de vencimento da letra.

 

     A Letra é um instrumento muito antigo e muito importante para a concessão de crédito a comerciantes e empresas. Efetivamente, uma das causas para a enorme importância prática deste instrumento é a possibilidade de se poder prestar aval pessoal por parte de terceiros (sobretudo, os sócios de uma empresa em relação a essa empresa).

 

     Ora, uma das características da letra bancária é a de que a posse do título em conformidade com a Lei permite que o portador da letra possa cobrar o direito que emerge do título de crédito.

     Assim, aquele que pode cobrar a letra é o portador ou tomador; por sua vez, aquele que dá a ordem de pagamento é o sacador; por último, aquele a quem é dada a ordem de pagamento é o sacado.

 

     Desta característica da legitimação decorre que o portador não precisa de provar a titularidade do direito cartular, uma vez que esta se presume; por isso, o devedor (sacado) não pode recusar o pagamento de uma letra bancária ao portador sem entrar em incumprimento contratual.

 

     Mais, o devedor não precisa de aferir se o tomador do título de crédito é ou não o legítimo titular do direito. Com efeito, ao efetuar o pagamento da letra bancária ao portador na data de vencimento, o devedor (sacado) fica totalmente desonerado de todas as obrigações decorrentes da letra, não lhe podendo ser exigido que pague outra vez a letra por eventualmente ter pago à pessoa errada. Assim, o devedor (sacado) fica com a garantia de que o pagamento que efetuar não pode ser qualificado como cumprimento feito a terceiro.

 

 

Artigos relacionados:

 

      -  Avalista

      -  Aval e Fiança: diferenças

      -  Livrança bancária

      -  Letra comercial

      -  Aval pessoal

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}