facebook twitter google mais linkedin

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 03:50 (am)

Data : 23/07/2017

Reestruturação de empresas

 


reestruturação-de-empresas     Na actual crise económica têm sido da maior importância para o nosso tecido empresarial os processos de reestruturação de empresas.

 

     Ora, um instrumento fundamental a que as empresas podem recorrer é o Processo Especial de Revitalização, porventura a mais importante medida do Programa Revitalizar.

 

     Na verdade, no âmbito desta matéria da reestruturação de empresas, uma das características do Processo especial de Revitalização é a manutenção da estrutura de administração da empresa. No processo de insolvência o Tribunal tem o poder de decretar que a gestão e liquidação da massa insolvente seja garantida pelo devedor (pessoa singular ou empresa), em função de um grupo de requisitos.

 

      No caso de o Tribunal não o fazer, a gestão e liquidação da massa insolvente, e, por conseguinte, todos os assuntos da empresa passam a ser administrados pelo administrador judicial provisório.

 

     Ora, no âmbito de um processo de reestruturação de empresas, partindo do pressuposto de que a administração executou o seu trabalho com diligência e rectidão normalmente exigidas, quem melhor pode garantir a continuidade da empresa é, em princípio, a sua actual administração.

 

     Outra das características deste instrumento para a reestruturação de empresas é a simplicidade. Com efeito, o PER (insolvência) foi desenhado de forma a possibilitar um quadro elementar para que as negociações entre os credores e a sociedade comercial (sociedade por quotas ou sociedade anónima) possam decorrer livres de constrangimentos.

 

     Por exemplo, no Processo Especial de Revitalização não é obrigatório efectuar uma Assembleia de credores. De facto, reunir vários credores numa negociação, com créditos de estrutura tão diferente (valor, garantias) e até interesses tão diversos, poderia não levar a uma conclusão satisfatória do processo.

 

     Por outro lado, neste processo de reestruturação de empresas as conversações também se realizam de forma dinâmica, tendo em conta vários factores como o número de credores, a sua natureza (Bancos, fornecedores, trabalhadores), o valor dos direitos de crédito. Também o plano de recuperação pode ser modificado com alguma simplicidade, tendo em conta o decurso das conversações com os credores, o que faz incentivar e aprofundar a flexibilidade e a angariação de consensos.

 

 

Artigos relacionados:

 

      -  Processo Especial de Revitalização

      -  Insolvência de empresas

      -  Plano de recuperação

      -  Insolvência ou Processo Especial de Revitalização?

 

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}