{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 03:43 (am)

Data : 18/11/2018

Efeitos e consequências do encerramento do processo de insolvência

 

efeitos e consequências do encerramento do processo de insolvência

São vários os efeitos e consequências do encerramento do processo de insolvência.

 

1) Exoneração do passivo restante - início do período de cessão (5 anos):

 

Quando é proferido o despacho inicial de exoneração do passivo restante o Juiz deve também determinar o encerramento do processo de insolvência.

 

Acontece que, nesse caso, quando ainda existam bens e direitos por liquidar, o encerramento do processo de insolvência tem como único efeito e consequência o início do período de 5 anos de cessão do rendimento disponível.

 

Sobre os efeitos e consequências do encerramento do processo de insolvência pessoal com exoneração do passivo restante, ver o nosso artigo: encerramento do processo de insolvência e exoneração do passivo restante.

 

2) Cessação de funções do administrador de insolvência - fim da apreensão e liquidação:

 

Outro efeito ou consequência do encerramento do processo de insolvência é a cessação de funções e competências do administrador de insolvência e da comissão de credores.

 

Ora, como a principal função e competência do administrador de insolvência é apreender e vender todos os bens e direitos do património do insolvente o encerramento do processo determina também a cessação da apreensão e venda dos bens que integram o património do insolvente (massa insolvente).

 

3) O devedor pessoa singular recupera o direito à livre disposição dos seus bens e o direito à livre gestão dos seus negócios; exceções:

 

Outro efeito ou consequência do encerramento do processo de insolvência é a recuperação por parte do devedor do direito de livre disposição dos seus bens e do direito à livre gestão dos seus negócios, exceto se vier a ser afetado pela qualificação da insolvência como insolvência culposa.

 

Trata-se de um aspeto que é da maior importância no que respeita aos bens e rendimentos que o devedor venha a adquirir depois do processo de insolvência; isto porque os bens e rendimentos anteriores à declaração de insolvência e os bens e rendimentos que o devedor adquira na pendência do processo vão ser todos liquidados no âmbito do processo de insolvência.

 

Contudo, se o devedor tiver requerido a exoneração do passivo restante e esta tiver sido deferida terá que entregar ao fiduciário (administrador de insolvência) todos os bens e/ou rendimentos que:

- forem auferidos durante o período de cessão de 5 anos posteriores ao encerramento do processo de insolvência, e que,

- excedam o montante fixado pelo Juiz como sendo o razoavelmente necessário para assegurar o sustento minimamente condigno do devedor e do respetivo agregado familiar.

 

4) Extinção de ações executivas e penhoras que se encontravam suspensas:

 

As ações executivas e correspondentes penhoras que se encontravam suspensas e levantadas por força da sentença de declaração de insolvência extinguem-se definitivamente quando ao insolvente. Há, contudo, uma exceção: permite-se o exercício do direito de reversão previsto na Lei, como acontece, muitas vezes, após o encerramento do processo de insolvência de uma empresa com o acionamento da reversão fiscal contra os respetivos administradores ou gerentes. Ver: reversão fiscal.

 

Contudo, este efeito ou consequência só se verifica se o encerramento do processo de insolvência ocorrer por força da realização do rateio final pelos credores ou por insuficiência da massa insolvente.

 

5) Extinção da empresa (sociedade comercial):

 

Nos processos de insolvência de empresas (sociedades por quotas, sociedades unipessoais por quotas e sociedades anónimas) o registo do encerramento definitivo do processo de insolvência, após o rateio final, determina a extinção da sociedade.

 

Se, no entanto, o encerramento do processo de insolvência tiver como causa ou razão determinante a aprovação e homologação de um plano de insolvência que preveja a continuidade da sociedade comercial, esta pode retomar a sua atividade, independentemente de deliberação dos sócios.

 

Notificação aos credores:

 

A decisão de encerramento do processo de insolvência é notificada aos credores, com indicação da respetiva causa, em princípio, através de carta registada.

 

Registo na Conservatória:

 

O encerramento do processo de insolvência é também obrigatoriamente inscrito na:

- Conservatória de Registo Civil, no caso da insolvência pessoal;

- Conservatória de Registo Comercial, no caso de insolvência de empresas (sociedades por quotas, sociedades unipessoais por quotas e sociedades anónimas).

 

 

Artigos relacionados:

 

Encerramento do processo de insolvência e exoneração do passivo restante

Causas do encerramento do processo de insolvência

Processo de insolvência

Insolvência pessoal

Exoneração do passivo restante

Insolvência de empresas

Efeitos da declaração de insolvência

Administrador de insolvência

Massa insolvente

Ação executiva

Penhora

Plano de insolvência

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}