{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 08:59 (pm)

Data : 23/09/2019

Impugnação da resolução em benefício da massa insolvente

 

impugnação da resolução em benefício da massa insolvente

O que é:

 

A impugnação ou oposição à resolução em benefício da massa insolvente é o mecanismo judicial à disposição dos sujeitos afetados pela resolução em benefício da massa insolvente destinado a contestar, impugnar e a extinguir os efeitos desta e, consequentemente, a repor a situação que existiria caso a resolução não tivesse sido feita.

 

Ação judicial; corre como dependência do processo de insolvência:

 

A impugnação da resolução em benefício da massa insolvente é uma ação judicial designada de ação judicial de impugnação ou oposição à resolução em benefício da massa insolvente.

 

Esta ação judicial corre por apenso e na dependência do processo de insolvência no âmbito do qual foi feita a resolução em benefício da massa insolvente.

 

Prazo:

 

A ação judicial de impugnação ou oposição à resolução em benefício da massa insolvente deve ser proposta no prazo máximo de 3 meses, a contar da data da receção da carta registada do administrador de insolvência a comunicar a realização da resolução em benefício da massa insolvente.

 

Trata-se de um prazo perentório pelo que o decurso do prazo sem que a ação tenha sido intentada tem como consequência a caducidade (extinção) do direito de intentar a ação. Essa caducidade é de conhecimento oficioso por parte do Juiz.

 

Quem pode apresentar a impugnação; quem pode ser autor da ação:

 

Têm legitimidade para apresentar ação judicial de impugnação ou oposição à resolução em benefício da massa insolvente:

 

1) O próprio insolvente

 

2) O beneficiário do ato prejudicial aos credores praticado pelo insolvente:

 

O beneficiário do ato praticado pelo insolvente que seja prejudicial aos seus credores, ou seja, a contraparte do ato. Por exemplo, o devedor em situação económica difícil, mas ainda não declarado insolvente fez uma doação de um automóvel de que era proprietário a um familiar com o objetivo de evitar a sua execução por parte dos credores no âmbito de um processo executivo ou de um processo de insolvência e, cinco meses depois, é declarado insolvente.

 

Esse familiar é o beneficiário do ato prejudicial à massa insolvente praticado pelo devedor e, se tiver fundamentos para tal, tem legitimidade para intentar uma ação judicial de impugnação da resolução em benefício da massa insolvente.

 

3) Terceiros a quem a resolução seja oponível:

 

São terceiros a quem a resolução é oponível aqueles a quem o beneficiário do ato prejudicial à massa insolvente tenha transmitido bens ou dinheiro objeto do ato resolvido (por ex. uma doação) e que se encontrem em alguma das seguintes circunstâncias:

 

- o terceiro a quem tenha sido transmitido um bem e que seja herdeiro do transmitente (ou seja, o beneficiário do ato praticado pelo devedor prejudicial à massa insolvente), seja qual for o título e o caráter da transmissão. Por exemplo, o devedor em situação de insolvência iminente, mas ainda não declarado insolvente, vende à sua mulher o automóvel de que é proprietário por um preço muito inferior ao seu valor de mercado e esta, por sua vez, faz a mesma venda ao filho de ambos (terceiro).

 

- o terceiro a quem tenha sido transmitido um bem a título gratuito, seja quem for esse terceiro. Por exemplo, o devedor em situação de insolvência iminente, mas ainda não declarado insolvente, faz uma doação de 500,00€ à sua mulher e esta, por sua vez, faz uma doação desse valor ao filho de ambos.

 

- o terceiro a quem foi feita uma transmissão onerosa (e não gratuita) de um bem e estiver de má-fé. Existe má fé por parte do terceiro quando este, à data da prática do ato, tenha conhecimento de que:

1) o devedor já se encontrava em situação de insolvência;

2) que o ato prejudicava financeiramente a massa insolvente pela diminuição do respetivo património e que, cumulativamente, o devedor já se encontrava em situação de insolvência iminente; ou,

3) que o processo de insolvência já tinha dado entrada no Tribunal.

 

Contra quem pode ser intentada a ação; quem pode ser réu na ação:

 

A ação judicial de impugnação ou oposição à resolução em benefício da massa insolvente deve ser intentada contra a própria massa insolvente. Assinale-se que a massa insolvente não tem personalidade jurídica uma vez que não é um sujeito de Direito (pessoa singular ou pessoa coletiva) mas tão-somente um património autónomo; porem, é dotada de personalidade judiciária e, por isso, pode ser parte em juízo.

 

 

Artigos relacionados:

 

Resolução em benefício da massa insolvente

Resolução incondicional em benefício da massa insolvente

Massa insolvente

Processo de insolvência

Administrador de insolvência

Situação de insolvência

Par conditio creditorum

Efeitos da declaração de insolvência

Impugnação pauliana

Insolvência culposa

Insolvência dolosa

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}