{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 01:09 (pm)

Data : 18/07/2018

Penhora de vencimento

 

penhora-de-vencimento     Atualmente são muitas as pessoas sobre as quais recai uma penhora de vencimento.

 

     São infelizmente situações muito frequentes nos dias de hoje e que têm como causas o desemprego, doenças, divórcios, sobreendividamento, redução dos rendimentos, etc…

 

     Ora, a penhora de vencimento é a apreensão judicial do salário do executado (devedor) para a satisfação do direito de crédito do exequente (credor).

 

     De facto, em caso de incumprimento contratual da dívida por parte do devedor, a Lei dá ao credor a possibilidade de executar o património do devedor, intentando nos Tribunais, a competente ação executiva.

 

     No âmbito da penhora de vencimento, em regra só pode ser penhorado um terço do salário líquido do devedor. O mesmo é dizer que dois terços do vencimento do devedor são impenhoráveis. Assim, se por exemplo, uma pessoa singular entrar em incumprimento contratual e auferir uma remuneração líquida mensal de 1000,00€ apenas pode ser-lhe penhorado o valor de 333,00€ do seu salário.

 

     A Lei determina que, para o cálculo dos valores do vencimento que podem ser penhorados, deve partir-se do salário líquido, ou seja, do salário que o trabalhador efetivamente recebe após todos os descontos legalmente obrigatórios (para o IRS e para a Segurança Social).

 

     Esta regra da penhora de salário em 1/3 tem, no entanto, exceções. Deste modo, o valor correspondente ao salário mínimo nacional é considerado impenhorável. Por exemplo, se uma pessoa aufere uma remuneração líquida mensal de 600,00€ não lhe podem ser penhorados 200,00€.

 

     Com efeito, se assim fosse, violar-se-ia o limite mínimo da impenhorabilidade correspondente ao valor do salário mínimo nacional (atualmente nos 580,00€ - SMN de 2018). Assim, se a pessoa auferir um salário líquido de 600,00€ apenas poderão ser penhorados 20,00€, ficando a pessoa com um rendimento disponível de valor equivalente ao salário mínimo - 580€.

 

     Como é que se processa a penhora de vencimento? O agente de execução notifica a entidade empregadora de que, a partir daquele momento, deve passar a fazer o desconto do montante penhorado (por ex., 1/3) ao salário líquido do executado e que deve proceder à transferência do montante penhorado para uma conta bancária à ordem do agente de execução.

 

     Mas a proibição de penhora de vencimento tem também um limite máximo, correspondente a três salários mínimos, este, porém, de muito menor importância prática. Se, por exemplo, uma pessoa aufere um salário líquido de 6000,00€ pode ser penhorado mais do que um terço do seu rendimento (2000,00€). Neste caso, podem ser penhorados até 4329,00€ do salário do devedor, ficando este com um rendimento disponível, após a penhora de salário, de valor equivalente a três ordenados mínimos nacionais (1671,00€).

 

 

Artigos relacionados:

 

    -  Oposição à penhora

    -  Levantamento de penhora

    -  Ação executiva

    -  Agente de execução

    -  Penhora de bens

    -  Penhora de contas bancárias

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}