{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 05:55 (pm)

Data : 16/12/2018

Falência de empresas


falência-de-empresas     Também a falência de empresas tem aumentado muito nos últimos anos.

 

     Efetivamente, a situação económica negativa que Portugal ainda hoje atravessa continua a levar muitas empresas à falência.

 

Falência técnica:

 

     Pode empregar-se a palavra "falência" para se referir à falência técnica. Uma empresa (sociedade comercial: por quotas, unipessoal por quotas ou sociedade anónima) encontra-se em situação de falência técnica quando o seu passivo é superior ao ativo. O mesmo é dizer quando tem os seus capitais próprios negativosConsultar o nosso artigo: falência técnica.

 

Falência / insolvência:

 

     O CIRE (Código da insolvência e da Recuperação de Empresas) substituiu a designação de falência por insolvência, embora as consequências sejam essencialmente as mesmas.

 

     Ora, as empresas (sociedades comerciais: sociedades por quotas, sociedades unipessoais por quotas ou sociedade anónimas) têm um dever de se apresentar à insolvência. Efetivamente, na falência de empresas a partir da altura em que as empresas não estiverem objetivamente em condições de cumprir as suas dívidas atempadamente têm os seus administradores (gerentes nas sociedades por quotas e conselho de administração nas sociedades anónimas - S.A.) o dever de proceder à sua apresentação à insolvência.

 

     Se, diferentemente, as empresas se encontrarem apenas em situação económica difícil mas não ainda objetivamente em situação de insolvência atual podem recorrer ao processo especial de revitalização.

 

     Sendo proferida a sentença que declarar a falência de empresas é designado um administrador de insolvência que terá que administrar e alienar o acervo de bens que integrar a massa insolvente. Esse Administrador judicial vai substituir o insolvente para todas as consequências patrimoniais do processo.

 

     A sentença que declarar insolvência tem como consequência a cessação de funções da administração da empresa e a transferência dessas competências para o administrador de insolvência. No entanto, essa regra tem exceções. De facto, há casos em que não são eliminados os direitos de administração e disposição dos administradores. Ora, é exatamente o que acontece se ocorrer a administração da empresa compreendida na massa insolvente pelo devedor ou se o Juiz decidir pela insuficiência da massa insolvente.

 

     Os administradores têm também que prestar toda a informação e colaboração ao administrador judicial.

 

     A assembleia de credores e o administrador de insolvência deliberam se a sociedade comercial tem ou não viabilidade económico-financeira e se, por isso, pode ou não ser ou objeto de reestruturação. Se poder ser reestruturada pode ser apresentado um plano de recuperação; se não puder ser recuperada, segue-se para a liquidação e dissolução.

 

     Na falência de empresas pode também ser apresentado um plano de insolvência, o qual tem de ser aprovado pelos credores e homologado pelo Juiz.

 

 

Artigos relacionados:

 

-  Insolvência de empresas

Falência técnica

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}