{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Horas : 01:26 (pm)

Data : 18/07/2018

Hipoteca legal

 


hipoteca-legal     A hipoteca legal é aquela que resulta diretamente da lei, independentemente da vontade das partes, e pode constituir-se desde que exista a obrigação que visa garantir.

 

Credores que gozam de hipoteca legal:

 

- o co-herdeiro, em relação aos bens adjudicados ao devedor de tornas, para garantir o pagamento destas;

 

- as Finanças (Autoridade Tributária) e as Autarquias Locais, sobre os bens imóveis que estão sujeitos ao imposto municipal sobre os imóveis (IMI), para garantia do seu pagamento;

 

- o credor de pensão de alimentos (por exemplo, os filhos em relação aos pais);

 

- o menor, o interdito e o inabilitado, em relação aos bens do tutor, curador ou administrador legal, para assegurar a responsabilidade que em tais qualidades vierem a assumir.

 

     A hipoteca legal existe por causa da necessidade de garantir determinados credores, como o Estado e outras entidades públicas, bem como certas pessoas, que não têm os poderes de administração do seu património ou que não poderiam obter, ou pelo menos não poderiam obter facilmente, o consentimento do devedor para uma hipoteca voluntária.

 

Necessidade de registo:

 

     As hipotecas legais não se encontram dispensadas de registo. Com efeito, exigem sempre uma atividade positiva do credor ou de quem o represente, no sentido de requerer o seu registo sobre bens do devedor.

 

     As hipotecas legais, sem prejuízo do direito de redução, podem ser registadas em relação a quaisquer bens que integrem o património do devedor, quando os bens que correspondam à garantia não estejam previstos por lei ou no título respetivo.

 

Substituição da hipoteca legal por outra caução:

 

     A requerimento do devedor, o Tribunal pode autorizar a substituição da hipoteca legal por outra caução. Embora consagre esta providência com carácter geral, a lei teve sobretudo em vista o caso de hipoteca legal a favor dos menores, interditos ou inabilitados. Houve, por isso, o propósito de atenuar os inconvenientes que o registo da hipoteca acarreta para os representantes dos incapazes.

 

     Existe ainda um outro caso de substituição da hipoteca legal. Efetivamente, quando o devedor não dispõe de bens hipotecáveis em quantidade suficiente para garantir o crédito, o credor tem a faculdade de exigir outra caução, exceto tratando-se de hipotecas que tenham como finalidade garantir o pagamento de tornas ou o cumprimento do legado do dinheiro ou outra coisa fungível.

 

Extinção de hipoteca legal com o processo de insolvência:

 

     Assinala-se que se extinguem as hipotecas legais cujo registo tenha sido solicitado nos 2 meses antecedentes à data do início do processo de insolvência, e que forem acessórias de créditos do Estado, da Segurança Social e das Câmaras Municipais.

 

 

Artigos relacionados: 

 

      -  Distrate de hipoteca

      -  Cancelamento de hipoteca

      -  Hipoteca voluntária

      -  Hipoteca judicial

      -  Hipoteca

 

 

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}